Esgoto e lixo ainda são problemas em São João del-Rei

      Poluição ambiental é um dos temas mais polêmicos e que vem sendo discutido há um longo tempo no mundo todo. Em pleno século XXI, questões simples e talvez de fácil resolução, como a crescente contaminação das águas e seus mananciais, causam grande impacto no meio ambiente e são colocadas no segundo plano. São João del-Rei, com seu constante desenvolvimento econômico e territorial/populacional, ainda não está preparada quando o assunto é educação ambiental. Com um número estimado em mais de 84 mil habitantes e crescendo cada vez mais, a cidade deixa de lado a solução de questões antigas, como a poluição de seus rios e córregos com esgoto e lixo residencial.
      São João del-Rei, localizada na região Campos das vertentes, é cortada pelo Rio das Mortes, que é abastecido pelos córregos do Lenheiro e do Rio Acima. Parte do rio encontra-se ameaçada pelos resíduos de esgoto e lixo doméstico. Há mais de 20 anos, um grupo de professores da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) realizou uma pesquisa para determinar quais os tipos de poluentes encontrados na água. Além dos distritos humanos e lixos domésticos, também foi detectada a presença de materiais pesados, como mercúrio, jumbo e cádmio.
      Questionada, a população sanjuanense acredita que seria interessante a implantação de uma política ambiental que não apenas visasse a retirada dos esgotos, que ainda são jogados na margem do rio, mas também de uma reeducação social. Segundo a atriz Patrícia Cecília de Bessa, moradora da Vila Nossa Senhora de Fátima, uma das regiões mais comprometidas pela poluição do rio, existe uma necessidade de limpeza do rio para que a ponte não seja obstruída com tanto entulho e detritos que descem devido às fortes chuvas: “Acho uma falta de respeito, tanto da parte do poder público quanto da nossa parte. Da parte do poder público eu acho que o mínimo que deveria se fazer era desocupar, tirar os lixos, porque tudo que vem descendo vai parando por aqui. E da parte da população, eles próprios jogam lixo, acho um desrespeito, já falei e até xinguei, porque fiquei com raiva, a pessoa nem era daqui parou a moto e jogou o lixo. Sem contar as doenças trazidas pelas enchentes, como leptospirose e hepatite. A minha vizinha foi levemente picada por um escorpião, tudo isso é causado pelos entulhos jogados no rio. O mal cheiro também é outro problema com o qual sofremos aqui, chega a ser insuportável. Acho que seria necessário uma conscientização ambiental, para que haja uma melhoria nas condições sociais da cidade”, acrescenta.
      Para Jussara Maria Horta, funcionária pública, o problema vai além de São João, pois como as águas dos rios vão desaguar no mar, todos os tipos de detritos e poluentes também são lançados no mesmo. “O córrego do Lenheiro corta a cidade e além de poluição, o lixo jogado nos nossos rios provoca ainda doenças e, além disso, o lixo vai parar no mar. Temos que começar a fazer um trabalho conjunto para não jogarmos o lixo no rio. Também tem o esgoto doméstico aqui em São João del-Rei, que eu acho ser o que mais polui o córrego do Lenheiro. Tem que haver uma conscientização, uma ação oficial, mostrando à população que a água é um bem e que todos utilizam para necessidades básicas, como tomar banho, cozinhar e beber.  Pelo pouco que entendo, o esgoto doméstico tem que passar por um tratamento e isso tem um custo, então acaba sendo mais fácil depositar diretamente no rio. Acredito que isso só terá uma solução quando o poder público juntamente com a população desenvolver ações socioambientais”, diz Jussara.
      Já Marcos Vinicius Fonseca, estudante de teatro e professor, acredita que é importante educar as crianças e juntamente os adultos, para que assim a conscientização entorno da preservação da biodiversidade aquática da cidade seja mantida e respeitada. “Sou professor de arte e educação nas escolas e acredito que o importante é começar a ter uma educação ambiental mais forte dentro das escolas, uma educação que visa conscientizar crianças da importância em se manter os rios limpos, para que sua biodiversidade possa se manter e prosperar. Os adultos também necessitam de uma nova educação ou reeducação ambiental, pois somos nós que temos o dever de ensinar nossas crianças. Mas para isso é importante que o poder público tenha uma ação mais bem definida e que realmente seja efetiva dentro dos redutos de educação.”
      O diagramador Luciano Alexandre Pinto acredita que a poluição em São João del-Rei já se tornou uma questão cultural: “Acho que a questão da poluição das águas em São João del-Rei é, em parte, uma questão cultural, na qual a população apenas se livra do lixo, do esgoto, não se importa com o que vem depois. Resolvo o meu problema do momento e pronto. Por outro lado, o poder público já poderia ter resolvido isso há muitos anos. Não temos usina de reciclagem e o lixo vai, direta ou indiretamente, para os rios, contaminando o lençol freático. Já passou da hora de começar a conscientizar os indivíduos que o lixo pode não deve ser queimado ou jogado em locais inadequados”, afirma.
      A secretaria de meio ambiente de São João del-Rei foi procurada para falar das ações e planejamentos ambientais que estão sendo desenvolvidos na cidade, porém não quiseram se manifestar sobre o assunto.
     
      Reportagem e foto: Eduardo Gaio.

--
Para copiar e reproduzir qualquer conteúdo da VAN, envie um e-mail para vanufsj@gmail.com, solicitando a reportagem desejada. É simples e gratuito.

0 comentários:

Postar um comentário

DEPENDENTES DAS TECNOLOGIAS
Veja mais vídeos da região do Campo das Vertentes