Alunos de jornalismo da UFSJ ficam entre os finalistas em prêmio nacional

Stands e Exposições no Encontro Nacional de História Mídia

Alunos do curso de graduação em Jornalismo da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) ficaram entre os finalistas no 2º Prêmio Nacional de História da Mídia José Marques de Melo. O prêmio aconteceu durante o 9º Encontro Nacional de História da Mídia, nos dias 30 de maio e 1º de junho, em Ouro Preto (MG). Seu objetivo foi reconhecer os melhores trabalhos em pesquisa de iniciação científica, com temáticas pertinentes à história da mídia brasileira.

O artigo “A História da Imprensa de Lavras Através das Eras Políticas Brasileiras”, escrito por Ian Agostini, Mario Sá, Moema Vianna, Ricardo Rios e Thallyson Eliseu, começou a ser desenvolvido em 2011.

Inicialmente, como atividade em sala de aula na disciplina de História do Jornalismo, era um trabalho sem grandes aspirações. Porém, diante da qualidade do mesmo, a professora e orientadora, Filomena Bonfim, sugeriu que se transformasse em um artigo científico. O trabalho foi também apresentado no 2º Encontro Regional Sudeste de História da Mídia, em Vilha Velha (ES) e no XVII Intercom Sudeste, em Ouro Preto (MG).

O resultado surpreendeu até mesmo os autores, pois não imaginavam que, dentre os 300 trabalhos apresentados, seriam um dos 14 finalistas. “A construção do artigo foi bem despretensiosa. Jamais imaginaria que pudéssemos receber algum prêmio por causa dele. Os colegas que fizeram o artigo sabem das dificuldades que tivemos para reunir todo o material histórico presente no trabalho. Mas a recompensa por este esforço veio no sábado”, conta Ricardo Rios, um dos premiados.

Já para Thallysson Eliseu, também autor do artigo, essa era uma produção que visivelmente tinha grande potencial. “Pela forma como o trabalho se configurava, a qualidade e a relevância, eu sempre achei que seria simplesmente uma questão de tempo e oportunidade”. 
Ele ressalta ainda que a premiação significou muito mais do que uma conquista pessoal. “É sempre bom ter um trabalho reconhecido. Foi uma satisfação também por escrever uma página da história do nosso curso. É um curso novo, mas de ótima qualidade, e que, através do trabalho e cooperação de todos, vai, com certeza, se desenvolver e progredir.”

Apesar do fim do ciclo de apresentações do artigo, as conquistas não param por aí. Além do prestígio já alcançado, ele será lançado em um livro sobre o jornalismo da região do Campo das Vertentes, organizado pela professora e orientadora, Filomena Bonfim.

Ricardo Rios, estudante da UFSJ premiado

“Tudo tem um começo, um clímax e um fim. Acredito que o reconhecimento do Prêmio José Marques de Melo seja a melhor maneira de encerrarmos. Perpetuamos na academia dados seculares de aspectos de um povo, e isso é extremamente importante na consolidação de uma recuperação histórica. Por isso, esperamos que novos pesquisadores possam usar a nossa produção para descobrir novos aspectos sobre a imprensa de Lavras”, destaca Ricardo.

Filomena Bonfim ressalta ainda que essas oportunidades podem ser aproveitadas por todos os estudantes dentro da universidade. “Qualquer aluno disciplinado e comprometido com um bom desempenho em sala de aula pode produzir trabalhos científicos que merecem destaque na academia”. 

Para aqueles que ainda estão dando os seus primeiros passos na carreira acadêmica, ela alerta: “Que todos se informem sobre as possibilidades institucionais de produção de trabalhos, mas que, antes de tudo, dediquem-se a descobrir o foco do seu interesse, que eu chamo de ‘objeto de desejo’. Tendo esse objeto, as tarefas deixam de ser trabalho para se tornarem processos de realização pessoal, comprometidos com a construção de uma sociedade mais justa”, afirma.

VAN/Mayra Coimbra
Foto: Rhafaela Resende

Deixe uma resposta