Bicicleta: sustentabilidade sobre rodas em SJDR

Utilizamos veículos de transporte para otimizar o tempo. Além
disso, vivemos em uma sociedade que tem suas bases no transporte
rodoviário. A forma com que o número de veículos motorizados
aumenta no Brasil, de aproximadamente 420 mil nos anos 50 para 25,5
milhões na última década, segundo a Agência Nacional de
Transportes Públicos, isso não mudará. Estamos então caminhando
no sentido contrário à tão sonhada mobilidade um dia alcançada,
paradoxalmente, com os veículos.

Atitude

Então que tal pensar em uma possibilidade de ir para o trabalho ou
para a escola de forma mais barata, mais sustentável e mais
saudável? Se você está pensando que a solução é a “mais nova
super moderna invenção da ciência”, está enganado. A solução
está muito mais perto e é talvez mais antiga do que você possa
imaginar. Apresento a vocês a bicicleta. Meio de transporte movido a
propulsão humana e que está nas ruas desde o século XIX. Já
passou por milhares de modelos e adaptações até chegar, hoje, nos
super anatômicos e confortáveis, tornando-se também modalidade
esportiva.

A população de alguns países já tem adotado de forma séria o uso
da bicicleta como meio de transporte e, para isso, cidades tem se
adaptado totalmente para oferecer esse tipo de serviço, com
ciclovias, sinalização e estacionamentos adequados. Essa atitude é
um alerta de que existe a conscientização e que é preciso alguma
atitude com relação à sobrevivência do planeta e o uso de
combustíveis fósseis.

Essas grandes cidades também superaram o tabu de que o uso da
bicicleta fora do lazer, ou seja, como meio de transporte é uma
alternativa apenas das classes mais baixas. O uso então desse
veículo tem sido sinônimo de responsabilidade social e ambiental,
um dos pilares da sustentabilidade, tão almejada nos dias de hoje.

Bicicletas são-joanenses

Em São João del-Rei, cidade de médio porte, a bicicleta é de uso
recorrente por trabalhadores, universitários e adolescentes que
mantêm esse hábito. A estudante Ana Gabriela Lima, faz uso
consciente do veículo. Para ela, além da liberdade que a bicicleta
permite, em relação ao transporte público é muito mais econômico.

Esse é outro fator muito importante quando se pensa no uso da
bicicleta. Sua manutenção deve ser feita regularmente como a de
qualquer veículo, mas se comparado à moto e principalmente ao carro
pode chegar a custar apenas 1/3 daqueles, segundo o mecânico de
bicicletas, David Santos

Essa opção também estimula o professor universitário Paulo
Henrique Caetano que possui carro e frequentemente utiliza a
bicicleta para ir ao trabalho. Mas a responsabilidade com o meio
ambiente é sua principal motivação. Para Paulo, existem várias
vantagens em se utilizar a bicicleta; a sustentabilidade, a economia,
o lazer e o exercício físico.

Tanto Ana Gabriela como Paulo reconhece utilizar a bicicleta também
como alternativa para a prática de exercícios. Algo que pode
conciliar a rotina com uma vida menos sedentária.

Saúde também interessa!

Para o educador físico e personal trainer Marco Vinícius Sima, você
pode ter inúmeras razões para utilizar a bicicleta regularmente
como meio de transporte. Marcos diz que essa prática é recomendada
para todas as idades, pois além de controlar taxas de gordura,
açúcar e colesterol (lembrando que é necessária uma dieta
balanceada, pois não existem milagres!), é extremamente eficaz para
o sistema cardiorrespiratório, ou seja, para o condicionamento
físico.

Mas se você já está começando a olhar para sua bicicleta de forma
diferente, espere, pois as boas notícias não acabaram.

Segundo o cabo Robson, do 38º Batalhão de Polícia Militar de São
João del-Rei, não há um número exato de acidentes envolvendo
ciclistas, mas entre as ocorrências diárias, a minoria envolve
acidentes com bicicletas. Ainda segundo o cabo, existe um respeito do
motorista com o ciclista, um respeito maior do que o que é dado ao
motociclista, por exemplo, ou ao pedestre. Mas o policial alerta que
“é preciso que os ciclistas de São João também façam sua
parte. Obedecer às leis de trânsito, como não furar sinais ou
andar na contramão, ajuda no melhor funcionamento da cidade e numa
maior segurança para o usuário”. Usar equipamentos de segurança
também é indispensável, principalmente se for trafegar por vias de
fluxo intenso, mesmo em São João del-Rei. A cidade ainda é
deficitária na assistência ou incentivo ao uso desse veículo.
Existe apenas uma ciclovia na cidade com apenas 1,5 km e que liga o
final da Avenida Leite de Castro ao Campus Tancredo Neves da
Universidade Federal de São João del-Rei. Mas o Plano Diretor da
Cidade, proposto em 2006, prevê a regulamentação do trânsito de
veículos pesados, leves e de bicicletas, sobretudo nas áreas de
preservação ambiental e cultural, garantindo condições adequadas
de mobilidade (inciso 2, artigo 55 da seção 1 do capítulo 3 do
título 6) Na tentativa de mais informações sobre quais mudanças
seriam implementadas, nenhum órgão da administração municipal
soube informar.

Mas isso não deve ser um desestímulo. Conforme o aumento no número
de adeptos do uso regular da bicicleta, melhor os administradores
poderão enxergar a necessidade de investimentos e mudanças para uma
melhor qualidade do trânsito e de toda população de São João
del-Rei.

Texto: Luis Gustavo  Silva dos Santos
Foto: euvoudebike.com

Para copiar e reproduzir qualquer
conteúdo da VAN, envie um e-mail para vanufsj@gmail.com, solicitando a
reportagem desejada. É simples e gratuito.

Deixe uma resposta