Câmara Municipal de Barroso celebra o Dia Internacional da Mulher

A noite do dia 8 de março foi especial para a população de Barroso. Em Reunião Solene no Plenário da Câmara Municipal, o Legislativo do município prestou homenagens às mulheres, por meio da entrega de Títulos de Cidadã Honorária e Diplomas de Honra ao Mérito, além da maior honraria da noite, a “Comenda de Honra ao Mérito Social e Cultural Dona Quininha”, que é entregue a mulheres de conduta exemplar, naturais de Barroso e cuja atuação nas áreas social e cultural se destaca pelos relevantes serviços prestados em favor do desenvolvimento do Município.

A mulher escolhida pelos vereadores para ser condecorada com a Comenda neste ano foi a Senhora Zoé Laboret de Souza Campos. Dona Zoé, como é popularmente conhecida, herdou o talento para fazer doces e biscoitos de sua família e com a atividade ajudou a criar seus sete filhos. Com a atividade de doceira, Dona Zoé também contribuiu para a geração de empregos e formação de cidadãos bastante conhecidos na cidade, como seu afilhado, o atual vereador Reinaldo Aparecida Fonseca, que também é coordenador do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de São João del-Rei.
De acordo com Reinaldo, a presença de Dona Zoé em sua vida foi essencial para sua formação, pois vendia os deliciosos quitutes que sua madrinha fazia.
A solenidade ainda contou com o descerramento do retrato da vereadora Vera Aparecida Rodrigues Pereira, que foi a primeira mulher presidente do Legislativo barrosense, desde a fundação da Câmara Municipal, no ano de 1955.
Na ocasião, foi inaugurada, ainda, a placa e o retrato de Brasilino dos Reis Melo, que constitui a denominação da sede da Câmara Municipal de Barroso. Após todos esses eventos, foi servido um coquetel que fechou a celebração em homenagem às mulheres.
Como surgiu o Dia Internacional da Mulher
O Dia Internacional da Mulher, celebrado anualmente no dia 8 de março, tem sua origem em manifestações de operárias norte-americanas da indústria têxtil. Na ocasião, datada de 8 de março de 1857, as mulheres reivindicavam uma redução da carga horária de 16 para 10 horas de trabalho diário e aumento de salário, uma vez que recebiam menos de um terço do salário dos homens. Durante a greve, elas foram trancadas na fábrica, onde ocorreu um incêndio que matou 130 operárias.
Após a ocorrência de diversas outras manifestações, em 1910, em uma conferência internacional de mulheres, realizada na Dinamarca onde ficou definida a data de oito de março para a comemoração do Dia Internacional da Mulher.
Texto e foto: Wanderson Nascimento

Para copiar e reproduzir qualquer conteúdo da VAN, envie um e-mail para vanufsj@gmail.com, solicitando a reportagem desejada. É simples e gratuito.

Deixe uma resposta