DSC_0218

FELIT abre roda de conversa e aproxima público do mundo literário

Teatro Municipal traz ao palco literatura e cultura no terceiro dia de festival em São João del-Rei

 

Dos dias 20 a 24 de setembro, acontece o 11º Festival de Literatura de São João del-Rei e Tiradentes – FELIT. O evento tem como objetivo discutir a literatura nacional e sua produção, contando com a presença de renomados escritores, críticos literários, editores e personalidades culturais reconhecidas. Em 11 anos, o festival já homenageou grandes nomes da literatura nacional como Ferreira Gullar, Ariano Suassuna, Ziraldo, Adélia Prado, Luiz Fernando Veríssimo, dentre outros. Neste ano, o escritor são-joanense Ronaldo Simões Coelho, reconhecido internacionalmente pelo seu trabalho voltado para literatura infanto juvenil, foi o homenageado.

Nascido em 16 de abril de 1932, formado em medicina com especialização em psiquiatria, o escritor sempre teve contato com a literatura e interesse pela escrita. As lembranças de família e causos contados morando em São João del-Rei tiveram grande influência na obra de Simões que teve inspiração após começar a contar estórias para seus filhos quando ainda eram crianças. Com mais de 100 livros publicados, o autor já teve alguns de seus trabalhos selecionados para o catálogo da Biblioteca Internacional de Munique e outros tantos publicados em  língua espanhola.

Segundo Lúcio Teixeira Carvalho, um dos organizadores do FELIT, o festival começa a tomar forma após a escolha do autor homenageado. “Esse ano nós homenageamos o Ronaldo Simões Coelho, porque ele tem uma obra vastíssima e consistente voltada  para literatura infantil. Ele já tinha participado do FELIT como convidado, como debatedor, mas nunca como homenageado. A partir dessa escolha começamos a desenhar o nosso festival.” afirma.

Teixeira contou ainda sobre os trabalhos feitos com as crianças e jovens através do festival nas escolas através da obra de Ronaldo Simões com o intercâmbio entre as escolas na adaptação das obras de forma artística como a  música  e o teatro. Além do movimento com as escolas, há o envolvimento dos estabelecimentos comerciais da cidade como bares e restaurantes, que integram o circuito gastronômico. Neles há a  discussão da literatura através da gastronomia. “Há o casamento entre a literatura e a gastronomia. Da mesma forma que a literatura conta histórias, a gastronomia também conta com seus temperos, sabores, suas ervas e a forma de apresentar os pratos.” O organizador falou também sobre a 2º edição do circuito de banheiros temáticos em que artistas da cidade, fazem intervenções em banheiros de bares parceiros do festival como forma de democratizar o acesso das pessoas a literatura através das artes plásticas.

No Teatro Municipal de São João del-Rei a noite da última sexta  (22), começou abrilhantada com o espetáculo da Companhia SESC de dança de Belo Horizonte, com apresentações de ballet clássico como Quebra-Nozes e Dom Quixote, além do ballet moderno, coreografia intitulada Grito Suspenso. A coordenadora artística da Companhia Sesc de Minas, Priscila Fiorini, contou que a escolha do repertório foi uma forma de dialogar com o festival. “Temos um repertório amplo e para o festival de literatura, escolhemos essas coreografias por serem trabalhos inspirados em obras literárias. Tanto quebra-nozes, quanto Dom Quixote são inspirados em grandes clássicos da literatura e o Grito suspenso foi inspirado em um poema da Liviana Maciel.” afirmou.   

DSC_0163
Leila Ferreira e Martha Medeiros abordam temas como preconceito e feminismo. – Foto/VAN: Victória Souza

As estrelas da noite foram as jornalistas e escritoras Martha Medeiros e Leila Ferreira. Responsáveis pela roda de conversa, concederam uma entrevista à VAN na qual pontuam o seu trabalho e a alegria de participar do evento. Martha ressalta o seu amor pelo estado de Minas Gerais e a honra de estar em São João del-Rei pela primeira vez ao lado da grande amiga Leila.

Em relação aos planos para o futuro, a escritora de “Feliz por Nada” conta com exclusividade seu primeiro trabalho no campo televisivo. “Estou saindo da minha zona de conforto e escrevendo meu primeiro roteiro para cinema”, comenta empolgada. O trabalho com data prevista para o fim do ano, começa a ser gravado em 2018. Além disso, Martha não deixa de lado o seu amor pelas crônicas e pretende, ainda, engatar uma coletânea em breve. Já Leila, tem se reinventado, organizado e planejando o lançamento do seu próximo livro “Cartas para a minha mãe” que mescla realidade com ficção. A obra está prevista para chegar às livrarias em março de 2018.

O evento tem sofrido, entretanto, com a escassez de recursos e verba para realizá-lo. No último ano o FELIT contou com a colaboração da população para acontecer que depositou, voluntariamente, quantias diversas na conta da Associação Palavra Bendita. Parceira do evento, a associação não apresenta fins lucrativos. Este ano, as dificuldades permaneceram e levaram os organizadores a concentrar a maior parte das atividades em São João del-Rei.

Nesse final de semana, o FELIT promete, ainda, muito bate-papo, debate, aprendizagem, arte e literatura. O festival se encerrará no próximo domingo (24).

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Texto/VAN: Júlia Ribeiro, Leonardo Emerson, Victória Souza, Yasmim Nascimento
Foto/VAN: Victória Souza e Yasmim Nascimento

 

Deixe uma resposta