Clara Mattoso 2

Felit encerra festival com música e poesia

Evento homenageou neste ano o escritor Ronaldo Simões Coelho

 

Festival de Literatura de São João del- Rei e Tiradentes, o Felit, se encerrou neste sábado, mas na manhã de domingo (24) aconteceram algumas atividades paralelas ao evento. A Academia de Letras de São João del- Rei  e o restaurante Taberna D’Omar foram os palcos das últimas atividades da 11° edição do Felit.

Na Academia de Letras as atividades começaram por volta das 10h, com a homenagem ao escritor Asterack Germano de Lima, patrono da cadeira 21 da referida Academia de Letras. A homenagem foi realizada a partir da pesquisa da primeira secretária Liliane Aparecida dos Santos Dutra que elaborou a apresentação com ajuda de amigos e familiares de Asterack, ques disponibilizaram dados e materiais sobre a vida do escritor.

A homenagem foi seguida de lançamento do livro “Fantasma de Joana D’Arc”, sétimo livro do escritor e professor da Universidade de Minas Gerais (UFMG)  natural de Resende Costa, Evaldo Balbino. Segundo o autor, durante o livro revisitou a figura de Joana D’Arc que em sua época já quebrava questões de gênero se vestindo de homem para lutar pela Guerra dos 100 anos a favor da Inglaterra. “Hoje em dia isto está muito debatido, mas na Idade Média uma mulher não podia nunca se vestir de homem. Meu livro pega Joana D’Arc como símbolo do amor desmedido, de uma religiosidade sem rituais, sem regras, sem ideia de pecado, mas tem poemas que discute sobre todos nós – seres humanos – que vive sobre coerções, mas que tem desejos de libertação o tempo todo”, explica.

Scarlet (2)
Liliane Aparecida dos Santos Dutra apresentando sua pesquisa sobre a vida e obras de Asterack Germano de Lima. – Foto/VAN: Scarlet Freitas

Para Evaldo Balbino ser artista é uma questão de persistência. É e exatamente essa a sensação de estar lançando seu sétimo livro. O autor acredita na misticidade do número sete e que ao lançar o livro “Fantasma de Joana D’Arc” está persistindo em um mundo que muitas vezes não apoia a arte: “O número, ele diz tudo. É um nùmero cabalístico tem vários significados, mas a gente usa muito a expressão que um gato tem sete vidas. Então sete vidas é porque persiste em relação a vida e luta contra a morte.” E ainda conclui que a sensação é melhor ainda ao lançar o livro bem perto de sua cidade natal.

Já a Taberna D’Omar, que recebeu a feira de livros e vinis usados, foi palco também do recital poético com os lafaietenses do grupo Lesma e o músico potiguar Zelito Coringa. A apresentação misturou poesia e música e o público presente pôde conferir a mistura entre o texto mineiro e o de diversas partes do nordeste. Integrante do grupo, o estudante Washigton Batista Silva falou sobre a importância do evento: “Foi bacana demais, gostei muito. Aqui tem um povo animado, que participa. Hoje o povo busca muito a literatura internacional, tem traduzido muito livro e o FELIT é uma possibilidade de valorizar os autores da região.”

 

Texto/VAN: Clara Matoso, Marcos Coelho, Scarlet Freitas e Victor Zanola
Foto/VAN: Clara Matoso

Deixe uma resposta