campanha-leite materno

Fim de ano é a época com baixas no banco de leite humano

A doação de leite materno ainda precisa ser mais divulgada e incentivada em SJDR

 

A Santa Casa da Misericórdia de São João del-Rei encoraja gestantes e mães no período de amamentação a doarem o leite materno para ajudar recém nascidos internados na UTI neonatal e que não podem receber o leite diretamente da mãe. O banco de leite, criado a mais de três anos na cidade, sofre uma queda no final do ano, visto que muitos nascimentos ocorrem em novembro e dezembro, logo, é maior a chance de que alguns bebês precisem do leite doado. A doação só é permitida dentro da instituição, pois é necessária uma análise do material para certificar a ausência de vírus e bactérias.

É aconselhável que as gestantes se cadastrem seis meses antes do parto, pois assim a análise do material ocorrerá de forma mais rápida e segura, já que a pasteurização do leite é feita em Juiz de Fora. Para efetuar o cadastro é preciso o cartão pré-natal, os últimos exames de sangue, documento com foto e comprovante de residência. A coleta do leite pode ser feita dois dias após o parto, com a orientação adequada as mães podem retirar o leite até mesmo em casa, um quite é disponibilizado para isso, a Santa Casa tem quem busque o leite nas residências de uma forma mais adequada.

O leite cru, antes de ser pasteurizado, possui um prazo de validade de quinze dias após a sua retirada e congelamento, caso ele descongele nesse período a sua utilidade será perdida. Somente após ser enviado para Juiz de Fora e ser pasteurizado, que a sua validade será de seis meses, explica a técnica em enfermagem Diana Chaves. Em um projeto conjunto com a prefeitura, a coleta pode ser realizada em outros municípios, basta que as mães entrem em contato com a prefeitura de seu município e façam um pedido de coleta.

Para as mães que possuem alguma doença e não podem amamentar, a doação faz toda a diferença, pois o leite materno nos primeiros meses de vida funciona como um antibiótico natural, ainda mais necessário no ambiente hospitalar. A fórmula que substitui o leite é incapaz de suprir todas as necessidades do recém nascido, e qualquer outro tipo de substituição também pode causar problemas à saúde da criança. Thaís Ribeiro, fonoaudióloga na Santa Casa, ressalta que o incentivo a amamentação e doação são indispensáveis durante a gestação. “O leite materno é o único alimento que possui IGA, que é um tipo de antibiótico natural, então é super importante doar, os médicos precisam incentivar as mães”, afirma.

Atualmente a UTI neonatal possui apenas cincos mães fazendo doações, contudo apenas três possuem bebês internados e as outras duas são de outro município, o banco de leite está operando com a capacidade baixa. Junia Mariza, comerciante, é uma das doadoras e acredita que muitas mães não doam por falta de condições. “Às vezes as mães não conseguem tirar o leite, porque pra doar o leite tem que ter uma geladeira pra congelar e nem sempre tem condições. Então algumas não doam por falta de onde armazenar o leite”.

O cadastro é feito na Santa Casa da Misericórdia, Avenida Tiradente, 289 – Centro. Para mais informações, o telefone é (32) 3379-2000.

 

Texto/Van: Leonardo Emerson
Foto/Reprodução: Ministério da Saúde

Deixe uma resposta