IMG-20180127-WA0024

História de Tiradentes ganha as telas no último dia da Mostra de Cinema

Evento proporciona diversas manifestações culturais e atrai cerca de 35 mil pessoas durante os nove dias de programação.

 

Neste último sábado (27), a 21ª Mostra de Cinema de Tiradentes encerrou as suas
programações. O evento que apresentou ao público 102 filmes brasileiros teve quatro espaços de exibição: o Cine-BNDES; o Complexo de Tendas, que sediou o Cine-Tenda e o Sesc Cine-Lounge; e o Cine-Teatro SESI. Ao todo foram promovidos nove shows, sete
intervenções artísticas, cinco lançamentos de livros e DVDs e apresentações diárias de
videoarte.

Este ano a novidade foi o lançamento da campanha Descubra #Tiradentes300anos, para
celebrar a cidade, apresentar suas personalidades, curiosidades e pontos turísticos. A programação do evento promoveu uma exposição temática, no Largo das Fôrras, com 14
grupos artísticos e representativos das tradições e culturas populares, além de também
produzir um curta “Descubra Tiradentes 300 anos em tempo presente”, exibido no encerramento do evento.

Os trinta longas exibidos durante o festival foram divididos em seis seções temáticas: Aurora, Olhos Livres, Homenagem, Chamado Realista, Praça e Mostrinha. Já os 72 curtas exibidos foram divididos em nove mostras: Foco, Foco Minas, Panorama, Chamado Realista, Praça, Regional, Formação, Jovem e Mostrinha. A Mostra também promoveu 10 oficinas que certificaram 225 pessoas.

A participante da oficina Realização de Curta Digital, Thaís Ferreira Nadur, conta que a
oficina foi uma boa experiência e pretende trabalhar com cinema. “Achei muito interessante a proposta, eu sempre gostei de cinema e terminei o curso em economia, então vi que tinha inscrição para a oficina e resolvi participar, quero seguir com isso”.

As programações no sábado tiveram início às 10h e encerramento às 22h30, com uma
cerimônia oficial de encerramento, com anúncio dos vencedores, premiações do Júri da
Crítica (Troféu Barroco e Prêmio Helena Ignez), Júri Jovem (Troféu Carlos Reichenbach) e
Júri Popular (Troféu Barroco). Durante o dia foram exibidos longas e curtas-metragem para todos os públicos, além de também encerrar e entregar os certificados das oficinas.

O diretor Leleo Lopes, participante da Mostra Valores, já esteve em outras edições da Mostra e elogiou a recepção e carinho da cidade, além de também se mostrar muito feliz e desafiado no papel de diretor de um curta. Leleo conta que Tiradentes está sempre apresentando algo novo e surpreendente. “Sempre fica alguma coisa, cada ano um pedaço de alguma coisa, até porque a gente conhece a história de muitas pessoas. É sempre o pouco de alguém ou alguma coisa, a gente é surpreendido todo ano com alguma coisa em Tiradentes.”

A diretora do curta “ Ainda Não”, Júlia Leite, esteve na Mostra pela primeira vez e se
surpreendeu com a estrutura e escolha dos filmes. Júlia conta que a ideia de seu curta surgiu de uma experiência pessoal e encontrou no cinema uma forma de se expressar e contar para a mãe sobre sua sexualidade. Embora tenha poucos filmes com esta temática, ela diz que a recepção sempre é favorável. “Sinto que as pessoas entendem que é um filme sincero que vem de uma experiência muito pessoal. Algumas mulheres se identificam com a mãe ou com a filha, enfim é muito fácil de se identificar, uma questão de mãe e filha”.

Completando a sua 21ª edição, a Mostra já reuniu um público estimado em 717 mil pessoas. Já exibiu mais de 2.618 filmes em 921 sessões de cinema, promoveu 221 oficinas e 6.429 alunos certificados, 21 seminários, 27 cortejos, 41 exposições temáticas, 68 espetáculos de rua e 162 shows musicais.

Sem-título-1
Arte/VAN: Ícaro Chaves

 

Texto/VAN: Leonardo Emerson
Foto/VAN: Victória Souza
Colaboração/VAN: Elaine Maciel

Deixe uma resposta