Skip to main content
FOTO/VAN: ANDREZA DE CÁCIA

(In)dependência?

Uma reflexão sobre o momento em que vivemos e um sete de setembro 516 anos depois

Em sete de setembro, comemoramos a Independência do Brasil. Muitas vezes, porém, celebramos sem entender o sentido da palavra independência. Para uns, é a liberdade, o poder de se expressar, de gritar palavras de ordem. Para outros, soa forte uma outra palavra tão próxima, “patriotismo”, com toda sua carga de experiências e expectativas. Mas nem sempre compreendemos o significado de independência, de patriotismo, para além daquilo que é dito nos livros frios de história ou em discussões rasas sobre política.

Patriotismo em terras brasileiras é amar o país, mesmo em tempos difíceis, em momentos políticos pesados, duvidosos, desesperançosos. Ser patriota é ver tudo isso e, antes de se desesperar, de botar as mãos na cabeça e chorar, pensar que o Brasil tem um futuro grandioso pela frente e que, apesar dos pesares, temos uma pátria amada, Brasil.

E o sete de setembro? É um dia de sorte, não?! É o dia de celebrar patriotismo e independência do Brasil, mas também das nossas vidas. Tempo de festejar uma pátria tão diversa e, ao mesmo tempo, tão igual. O brasileiro é um povo receptivo, feliz, e clama por independência há mais de cinco séculos. Não, não estamos independentes, somos dependentes todo o momento. O mundo é dependente, desde sempre. Mas a cada pequena conquista, ganhamos um pouco mais de independência. E são essas conquistas que brindamos, hoje.

Ser independente é utópico, é ser mesquinho. Porque exigimos muito, e não temos certeza se um dia alcançaremos. Mas cada vez que damos um passo, somos mais independentes e mais fortes para superarmos adversidades.

Sete é um número de sorte, e a de hoje é acreditar que o Brasil continua sendo o “país do futuro”, como outras tantas vezes nos foi dito. Cada momento que vivemos é passageiro. Cada momento que a democracia do Brasil vive, também. Por isso, devemos tratá-los com a devida importância e dedicação. Como já disse Vinícius de Moraes: “meu tempo é quando”, e quando tudo passar, estaremos aqui, amando esse país, a cada dia mais.

Brasil!

TEXTO/VAN: Andreza de Cácia


Confira a cobertura fotográfica do desfile e manifestações do 7 de setembro, em São João del-Rei:

FOTOS/VAN: Andreza de Cácia

FOTOS/VAN: Ícaro Chaves

Salvar

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: