Iniciativa sustentável une o “centenário” ao “contemporâneo”

Marina Ratton

O Projeto Return 4
life
reutiliza shapes quebrados, criando um design diferenciado para
mobiliário

Cabides feitos com o shape na exposição em Juiz de Fora
Foto: JP Souza
Quebrar um shape, ou seja, a prancha do skate,
é algo muito comum e, geralmente, o skate acaba sendo descartado. O Projeto Return
4 life
traz uma ideia inovadora e sustentável, que une shapes
quebrados e móveis de demolição.
“O objetivo é a reutilização do produto, de vida
útil curta, unindo o antigo e o moderno”, ressalta Francisco Assis (Tito), que
faz parte do projeto e é diretor geral da Custom Skate Art, localizada em Santa
Cruz de Minas, cidade polo dos móveis de demolição.
A
linha Return 4 life possui uma
ideologia aliada à responsabilidade ecológica. “Quando o shape se
quebra, termina a sua ‘vida útil’. Como móvel, ele ganha vida novamente, se
tornando uma peça com grande valor simbólico”, explica Tito, sobre a escolha do
nome para o projeto. “O processo se inicia com o desconto na compra de um shape
novo, caso o cliente queira entregar o seu quebrado”, declara.
A junção da prancha do skate – de valor
simbólico – com os móveis de demolição – 
madeiras nobres reaproveitadas de construções centenárias – possibilita
uma interação entre a história secular e a contemporânea. O design desenvolvido
nas peças, criados pela Custom Skate Art, privilegia a utilidade e a
simplicidade.
 “O
projeto é incrível. O reaproveitamento dos shapes e o acabamento dos
móveis, tudo é muito interessante”, declara Vinicius Cabral, cineasta de São
Paulo, que assistiu a uma exibição do Return 4 life, na 16ª Mostra de
Cinema de Tiradentes, em janeiro deste ano. “Eu acho que esse tipo de projeto
precisa existir, pra demonstrar a possibilidade de sustentabilidade em qualquer
atividade”, opina.
O Return 4 life firma parcerias com as
marcenarias locais, dependendo do móvel a ser criado. O reaproveitamento do shape
colabora para o desenvolvimento ecológico, cultural e sustentável da cidade e
região, além de aquecer a economia. A segunda edição da Exposição Return 4 life
aconteceu este ano em Juiz de Fora (MG), no Centro Cultural Bernardo
Mascarenhas (CCBM), do dia 21 de fevereiro a 10 de março.
“A 3°
edição ainda não tem data e nem local marcados, mas queremos realizá-la”,
declara Tito, responsável pelo projeto.
Móveis na exposição em Juiz de Fora
Foto: JP Souza
Reutilização:
alternativa sustentável e consciente
O Projeto levanta, porém,
questões relativas ao desenvolvimento regional sustentável e problemáticas
ambientais. “Em se tratando de
reutilização, tudo é muito bem vindo. No entanto, considerando que os shapes
têm uma tinta, uma questão a se pensar seria a retirada desta tinta para que
não haja contaminação”, afirma Ivis de Lima, membro da comissão
organizadora do Encontro de Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente, realizado
pelo Departamento de Ciências Econômicas (DCECO) da UFSJ.
“No meu entender, os shapes não são poluidores e podem,
perfeitamente, serem considerados de demolição e serem reutilizados. Existem
várias madeiras que foram pintadas também e estão no processo de reciclagem,
normalmente”, opina Ivis.

Deixe uma resposta