Alunos da UFSJ fabricam cadeira de rodas para cães

Marlon de Paula

A cachorra Fofinha ficou paraplégica após cair de um muro, graças ao projeto voltou a andar.
Foto: Marlon de Paula

Nesta terça feira, os alunos do curso de engenharia mecânica da Universidade Federal de São João del – Rei, em parceria com a sociedade São Francisco de Assis de proteção aos animais, participaram no anfiteatro do campus Sto. Antônio da entrega de cadeiras de rodas para cães paraplégicos da cidade. O projeto foi desenvolvido dentro da disciplina eletiva TIM (Trabalho de integração multidisciplinar) e contemplou quatro cachorros com deficiência física.

Com o propósito de viabilizar a mobilidade dos animais com a produção das cadeiras de rodas mais acessíveis, o grupo universitário se organizou em 5 equipes para atender a necessidade dos cachorros selecionadas pela sociedade protetora dos animais. 

A aluna Juliana Gomes fala da importância da execução do projeto devido aos elevados custos que os donos teriam, caso fossem comprar o produto. “É muito importante este trabalho da universidade junto à sociedade. Conseguir cadeira de rodas hoje em dia é bem complicado, por que é muito caro. Por isto, surgiu essa necessidade de fazer estas cadeirinhas”, conta. 

A presidente da ONG, Mara Nogueira, fala da sua procura junto à universidade de um projeto de extensão que pudesse ajudar os cães que chegavam à entidade com problemas de locomoção. Em uma conversa com o professor do curso de mecânica, Jorge Nei Brito, teve a oportunidade de se apresentar aos alunos para incentivá-los a aderirem à ideia, já que os alunos tinham outras opções de projeto. “A minha ideia foi de levar os cãezinhos e mostrar a necessidade deles. Assim conseguir tocar no coração dos alunos para participarem do projeto”.

Nei Brito relembra como foi incentivar os alunos a se solidarizarem com a causa: “Convidei a Mara e as pessoas da ONG a levarem as cadeiras que alguns dos animais já tinham. Eles mostraram os cachorrinhos sem nenhuma ação, e a cadeira fabricada na base do improviso. Pedi-as que saíssem. E perguntei aos alunos: ‘Vocês topam fazer isto’? Foi unânime, alguns, inclusive, ficaram emocionados com a situação dos cachorrinhos”, relembra.

A dona de um dos cães, Cirlei Reaude, conta que Jow perdeu os movimentos das patas traseiras quando foi atropelado por uma moto. Com Mara Nogueira, ela pôde conhecer a ação que seria realizada pelo curso de engenharia mecânica.

“Foi uma benção na vida do Jow. Com essa oportunidade de colocá-lo em cadeira de rodas ficamos muito felizes e sensibilizados”, conta Cirlei.

Lailla Sáavedra, dona da cachorra Nina, destaca a mudança na vida da cadela, que sempre apresentou dificuldade de se movimentar, deste o nascimento. “Mudou completamente a vida dela, pois desde que ela era filhote, ela nunca andou, praticamente”.

Mara destaca o entusiasmo dos alunos com o projeto e, apesar de não haver oficialmente uma continuidade do projeto, ela acredita na permanência da parceira com a universidade. “Eu acredito que, pelo entusiasmo, a parceira vai continuar, pois os alunos se envolveram muito e gostaram do projeto”.

Deixe uma resposta