Problema em rua traz transtornos a Prados

Moradores sofrem transtornos há cerca de dois anos e meio em rua parcialmente interditada por risco de desmoronamento devido às chuvas

Há cinco meses, a Prefeitura de Prados havia informado que uma verba no valor de aproximadamente R$1milhão sairia no começo de janeiro, para reparos na Rua Antônio Cardoso Vale, em Pinheiro Chagas. No entanto, a verba não saiu, moradores e pessoas que diariamente passam pelo local se incomodam com o estado da rua e cobram um posicionamento das autoridades.

O artesão Gervásio Santos, que mora em frente à rua, se mostra bastante incomodado pela situação:

– “Como meu artesanato fica em frente à rua, o caminhão da transportadora vem pegar a mercadoria e estaciona em frente à minha loja, fecha a rua, então a polícia vem e pede para retirar o caminhão, porque atrapalha o fluxo de carros da rua. Além do mais, muitas pessoas estão usando o local para jogar lixo”. 

O estudante Luan Fernando, que trabalha próximo à rua, afirma que “tem muita poeira, o trânsito não é sinalizado, geralmente depois das 15h fica um tumulto de carros. E tem também a questão do lixo que, mesmo com dois latões próximos, o povo joga lixo no buraco. Está precisando ter mais sinalização e essa imagem deixa feia a cidade”.

A Prefeitura de Prados informou, através do Chefe de Gabinete Reginaldo Nascimento, que “estamos apenas esperando a liberação de Brasília. O ministro já autorizou a verba, só que é necessário fazer um empenho do dinheiro para, aí sim, liberar o edital e fazer a licitação da obra para começar a arrumar esses locais”. Ele ainda disse não ter como prever a data, devido aos processos burocráticos, mas espera que a situação se resolva o quanto antes, uma vez que o projeto já foi aprovado. 

O chefe de gabinete adiciona sobre a expectativa do recebimento da verba federal:

 – “Esperamos que isso aconteça o mais rápido possível, porque é ano de eleição e, então em determinado período, a prefeitura não pode exercer nenhum projeto”.

Texto: VAN/Juliana Sousa
Foto: Juliana Sousa

Deixe uma resposta