Ópera para todos em São João del-Rei

A ópera La Serva
Padrona
, intermezzo
cômico de Giovanni Battista Pergolesi inspirado na comédia dell’Arte, será
apresentada pela Sociedade de Concertos Sinfônicos de São João del-Rei para a
comunidade do município, em todos os domingos de setembro e o primeiro domingo
de outubro. O público poderá assistir à ópera no próximo domingo, 18, na praça
do bairro São Geraldo. As apresentações serão todas às 16h30.
A opereta é regida pelo Maestro Modesto Flávio e
dirigida por Marco Camarano. “O fato de ser em português e ser uma comédia, nos
dá a possibilidade de atingir mais fácil o público e derrubar o mito de que
ópera é inacessível. Existem dois tipos de público, os apaixonados e os que
odeiam, esperamos conquistar mais pessoas e motivar os que já gostam” contou o
Maestro Modesto.
 “Essa ópera tem
várias qualidades que nos interessa. É uma comédia, com dois cantores, um ator
mudo e requer uma orquestra de cordas pequena. Estamos dando continuidade a uma
ação inicial, pretendemos realizar uma série de óperas, em vários locais da
cidade, a fim de popularizar o gênero” falou Modesto. Segundo ele, a ópera
conta com 7 músicas e cerca de 15 músicos. Ela faz parte de um projeto apoiado
pela Secretaria de Cultura, para levar a ópera para todos. Ela ainda será
apresentada, respectivamente, nos bairros Matozinhos e Senhor dos Montes.
“Queremos mostrar que as pessoas mais simples também podem gostar de ópera”
acrescentou o Maestro.
La Serva Padrona
            La Serva Padrona estreou em 28 de agosto de 1733, na cidade de Nápoles,
durante a representação da ópera Il Prigionier Superbo (O Prisioneiro
Orgulhoso), também do compositor Pergolesi. Ela era apresentada no intervalo
(intermezzo) da ópera séria, porém fez muito mais sucesso, pelo seu tom crítico
e cômico. “A história dessa ópera é uma critica social do século XVIII.
Sendo que as óperas se limitavam a histórias bíblicas e textos consagrados. A
linguagem contida nessa ópera colaborou com um novo estilo musical, a música do
período clássico afastando do período barroco” esclareceu o Maestro.
            A ópera conta a
história de Serpina, uma criada educada desde pequena pelo patrão Uberto. Ao
tornar-se adulta, apaixona-se por ele e, tendo o criado Vespone como cúmplice,
arma mil artimanhas para conseguir casar com Uberto. A serva Sepina é representada
pela soprano Katya Oliveira, que também fez a tradução do texto. A cantora, que
já tem experiência com outras óperas e uma opereta, diz que a parte vocal da
ópera não é o seu maior desafio. “Por ser uma ópera barroca, deve ser cantada
com leveza. O maior desafio é a interpretação de uma personagem tão cômica”
disse a prima dona. O patrão Uberto será encenada pelo barítono, Ney Gouveia e
o criado Vespone pelo ator Tuti Fonseca. O personagem Vespone é mudo e utiliza
a mímica como uma sátira social.
            A montagem do
cenário será composta, principalmente, por três biombos ao fundo pintados com
figuras do século XVIII. Segundo o diretor de cena, Marco Camarano, a ópera
terá a duração de uma hora e um intermezzo de trinta minutos. “Fiquei muito
feliz com o convite, apesar de não ser uma missão fácil e exigir muita
dedicação. Sempre gostei de assistir óperas e operetas, essa está sendo uma
experiência nova pra mim” contou o diretor.
            A ópera é recomendada
para maiores de 12 anos. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone da Sociedade
de Concertos Sinfônicos de São João del-Rei: 3372-1244.
         Texto e Foto: Mariele Velloso

Para copiar e reproduzir qualquer conteúdo da VAN, envie um e-mail para vanufsj@gmail.com, solicitando a reportagem desejada. É simples e gratuito.

Deixe uma resposta