Presépio da Muxinga é reabilitado

Foto: Alzira Agostini Haddad

Após alguns anos desativado, o tradicional Presépio da Muxinga
volta a enriquecer o Natal de São João del-Rei. O presépio foi
reabilitado por José Imbroisi, que com a ajuda Wellington de
Oliveira e Ademir Soares, buscou fazer um resgate cultural e
religioso. Ele será exposto na Muxinga, na rua José Batista de
Souza, nº11, a partir do dia 10 de dezembro, e integra a programação
de Fim de ano e Férias cultural 2011 da Atitude Cultural.

Segundo Imbroisi a reabilitação foi feita porque o presépio “é
um patrimônio que não pode se perder. Porque nós, que trabalhamos
com comércio, só vemos o Papai Noel, que é um desvirtuamento da
cultura do Natal. O presépio é um pouco da cultura religiosa da
cidade, que era muito mais fervorosa antigamente”.
Maria Aparecida Padilha Teixeira, atual responsável pelo presépio e
filha de um de seus criadores, Ivo Teixeira Filho, explica que após
a morte de seu tio Sebastião Teixeira de Assunção, não havia
ninguém para fazer a manutenção do presépio, que acabou ficando
fora de funcionamento. Segundo ela, o presépio foi levado para uma
marcenaria para ser restaurado pelo Sr. Calixto. Entretanto, Calixto
ficou doente e impossibilitado de fazer a reabilitação. Maria
Aparecida conta que passou a buscar ajuda para consertar o presépio:
“Eu prometi para meu tio Sebastião que enquanto estivesse viva não
ia deixar o presépio acabar. E foi aí que o Imbroisi apareceu
oferecendo fazer a reabilitação. Ele caiu do céu”.
Foto: Alzira Agostini Haddad

Segundo Imbroisi, o trabalho foi feito com enorme preocupação em
manter as características originais do presépio, já que ele é
tombado pelo patrimônio. “Eu buscava engenheiros para decifrar os
mecanismos, que era uma coisa assustadora. Foi quase um milagre ver
ele funcionar, confesso que achei que não ia conseguir”, conta
Imbroisi.

Além da reabilitação, foi reformado o local original de criação
e visitação do presépio, na Casa da Muxinga. A reforma também
seguiu as características originais do local, procurando não
descaracterizar o ambiente. Segundo Maria Aparecida, é a primeira
vez em 30 anos que o presépio volta ao local de origem.
Maria Aparecida se diz muito feliz com a reabilitação, pois “é
como se fosse uma missão cumprida. É um patrimônio da cidade, da
história dela e ainda é uma coisa de família, que passou pelo meu
pai e meus tios e que não pode acabar. É uma coisa que funciona há
anos e anos, que alegrou nossos antepassados”.
Imbroisi afirma que ficou preocupado pelo fato de que as pessoas,
principalmente as crianças, estão muito acostumadas com as novas
tecnologias digitais, podendo não se interessar pelos mecanismos
antigos do presépio. “Fiquei preocupado, mas quando levei minha
filha de oito anos para ver o presépio e vi como os olhinhos dela
brilhavam, percebi que não havia porque me preocupar. O presépio
encanta todo mundo”, conta Imbroisi. A opinião é compartilhada
por Maria Aparecida: “As crianças ficam fascinadas ao ver os
bonecos mexendo, os sinos tocando. O Presépio da Muxinga é muito
bonito”.
O Presépio
Foto: Arquivo Família Teixeira Assunção

O Presépio da Muxinga é um dos mais tradicionais símbolos do Natal
são-joanense. Começou a ser construído em 1929, pelos irmãos Ivo
Teixeira Filho e Sebastião Teixeira da Assunção e foi adaptado ao
longo dos anos até chegar a sua forma atual.

A principal característica do presépio são suas diversas figuras
em movimento. Além dos símbolos comuns do Natal, como o menino
Jesus na manjedoura, a obra conta com uma Igreja com os sinos
tocando, pastores, moinhos de vento, pescadores, serradores, mulheres
passadeiras, rodas com elefantes e até um Papai Noel.
Tombado pelo IPHAN, já foi exposto em diversos pontos de São João
del-Rei, como na prefeitura, no Largo São Francisco e no Museu Tomé
Portes del-Rei. Em 2001, ficou em segundo lugar no concurso “Natal
de Luz nas Gerais – Presépios de Minas”, realizado pela CEMIG.
Reportagem: Carol Argamim Gouvêa

Para
copiar e reproduzir qualquer conteúdo da VAN, envie e-mail para
vanufsj@gmail.com, solicitando a reportagem desejada. É simples e
gratuito. 

Deixe uma resposta