Produção de artesanato desenvolve alunos da Apae

A Apae
(Associação de Pais e Amigos de Excepcionais) utiliza a arte como uma das
formas de valorização de seus alunos. Dentre as várias atividades artísticas,
um dos destaques é a produção de peças de artesanato como agendas, caixinhas em
MDF decoradas, porta guardanapos, porta retratos e outros objetos de decoração.
Segundo a professora Janine da Silva, o desenvolvimento deles é notável. “A
oficina ajuda a elevar a auto-estima dos alunos e a desenvolver a coordenação
motora. Teve um aluno cujos membros estavam atrofiando, mas depois da oficina,
se desenvolveu e hoje está bem”.
Ainda
segundo ela, o ensino da confecção dos produtos acontece durante as aulas de
educação profissional, que têm como objetivo preparar os alunos para a inserção
no mercado de trabalho. Os alunos que optam pelo artesanato, são, pois,
preparados para adotar a arte como profissão. Janine conta que tem alunos que
se tornaram artesãos profissionais e hoje ganham dinheiro com suas próprias
produções.
As
peças são produzidas a partir de materiais reciclados, como caixas de leite,
filtros de café, latas de molho de tomate e caixinhas de madeira montadas na
oficina de marcenaria da própria Apae. Até 2003, os alunos da entidade
aprendiam artesanato dentro da aula de artes. Mas desde então, as aulas
passaram a ser ministradas na oficina profissionalizante.
Os
produtos são expostos e vendidos na portaria da Apae e em seis empresas locais
parceiras do programa. Eles são vendidos para ajudar no custeio da entidade. Os
preços das obras variam entre R$ 2 e R$26. A professora Janine da Silva destaca
o capricho dos alunos na confecção dos matérias. “Nós queremos que as peças
sejam vendidas por serem de boa qualidade e não apenas por serem feitas por
excepcionais”, destaca.
Texto e Fotos: Bruno Ribeiro
Para copiar e reproduzir qualquer conteúdo da VAN envie um e-mail para vanufsj@gmail.com, solicitando a reportagem desejada.


Deixe uma resposta