Projeto “Entre Risos e Latas”

Cabos de vassoura, latas e tambores velhos viram instrumentos musicais em Entre Rios de Minas
     “Entre Risos e Latas”, este é o nome do projeto que surgiu para criar uma atividade, na qual jovens das áreas de risco pudessem ocupar seu tempo. A iniciativa está sendo desenvolvida há cerca de três anos em Entre Rios de Minas. Atualmente, cerca de 200 jovens, da Escola Municipal Dom Oscar de Oliveira e da APAE, além de jovens da comunidade em geral, estão envolvidos no projeto. A atividade visa tanto o despertar da percepção artística e musical nos participantes, quanto o desenvolvimento da concentração e da disciplina. Sob o comando do artista, músico, design gráfico e aluno do curso de ciências biológicas da UFSJ, Sílvio Roberto Resende Almeida, os jovens utilizam materiais recicláveis para criarem os instrumentos musicais e com cabos de vassouras, latas e tambores “fazem um som”, acompanhando o professor. A prefeitura municipal de Entre Rios de Minas viabilizou o projeto com o apoio da VSB (Vallourec & Sumitomo Tubos do Brasil), sob supervisão da Fia (Fundação para Criança e Adolescente).
     O projeto iniciou-se em 2009, visando atender os jovens das áreas de risco de Entre Rios de Minas, com idade entre oito e 16 anos. A secretária de cultura do município, Sarah Baêta Morais, conta que se encantou ao assistir uma apresentação do grupo “Bate Latas”, de Ponte Nova, e então resolveu implantar o projeto “Entre Risos e Latas” em Entre Rios.
     Desde 2011, o projeto abrange todas as faixas etárias e sociais, o que possibilitou uma maior participação popular, como é o caso da dona de casa Gisaneide Assis Silva, que se inscreveu no projeto e ainda levou consigo os filhos Carlos Assis Silva (11), Alex Sander Silva Cardoso (9) e Iasmim Assis Silva (3). Hoje ela está encantada com a música e não perde um ensaio: “Eu indico o projeto para todos, não só para os filhos, mas também para os pais, pois é uma forma de unir as crianças, criando responsabilidade e disciplina e o acompanhamento dos pais é uma forma de incentivar as crianças”, afirma a dona de casa. Todos os jovens têm acompanhamento psicopedagógico do CRAS (Centro de Referência Assistência Social) e os ensaios e apresentações contam com autorização dos pais.
     Devido ao sucesso do projeto, em 2011 ele chegou às salas de aula da Escola Municipal Dom Oscar de Oliveira e também da APAE: os alunos são selecionados e indicados pelos professores para participarem do projeto, que acontece nos horários de aula, substituindo a disciplina de artes. A direção da Escola Municipal Dom Oscar de Oliveira está satisfeita com o resultado, como diz a diretora Maria de Fátima Fernandes Cunha: “As crianças gostam muito e como para participar eles têm que se comportar nas aulas, melhorou muito o comportamento deles e com isso, consequentemente, melhora o aproveitamento acadêmico também”.
     A Prefeitura Municipal de Entre Rios de Minas, idealizadora do projeto, mantém o lugar dos ensaios, oferece transporte para apresentações e ajuda com alguns equipamentos necessários, além de doar o material reciclado através da usina municipal. Sarah Baêta Morais se vê cada vez mais feliz com o andamento do projeto: “É um sonho realizado. Quando vi pela primeira vez o som produzido pelas latas fiquei apaixonada com tamanha simplicidade e beleza. O Sílvio abraçou a causa e hoje, onde o ‘Entre Risos e Latas’ se apresenta, encanta a todos que assistem”, conclui a secretária de cultura.
     Reportagem: João Marcos El Yark.

Para copiar e reproduzir qualquer conteúdo da VAN, envie um e-mail para vanufsj@gmail.com, solicitando a reportagem desejada. É simples e gratuito.

Deixe uma resposta