Copa Amadores contou com cerca de 400 participantes FOTO/VAN: Ana Luiza Pereira

Quarta edição da CIMTB em SJDR conta com público de todas as idades

Muita poeira e adrenalina marcaram o primeiro dia da quarta edição de evento de Mountain Bike

Copa Amadores contou com cerca de 400 participantes FOTO/VAN: Ana Luiza Pereira
Copa Amadores contou com cerca de 400 participantes FOTO/VAN: Ana Luiza Pereira

O ambiente do Campus Tancredo de Almeida Neves (CTAN) esteve diferente do habitual. Faixas de contenção, pistas de corrida e barracas de patrocinadores foram o cenário das competições da Copa Internacional Levorin de Mountain Bike (CIMTB), que aconteceu no fim de semana, entre os dias 13 e 15.

É a quarta vez que São João del-Rei sedia o evento e, para aprimorar a experiência, algumas novidades foram implantadas. Altamiro Gonçalves, um dos responsáveis pela organização, conta que um dos diferenciais deste ano foi a pontuação no ranking internacional para a classificação nas Olimpíadas Rio 2016. Além disso, também teve início a Copa Internacional Série Juniors, “etapa que acontece somente aqui em São João del-Rei”, comenta Altamiro.

A Copa também movimenta outros setores da cidade. Gonçalves destaca que o evento “apesar de novo, além de entretenimento, gera recursos para a cidade. Os hotéis da região estão todos lotados, e o público movimenta restaurantes e comércio. Pretendemos melhorar a cada ano, porque se fazemos algo bem organizado e trazemos bastante gente para cidade, também geramos emprego e renda”, conta.

Provas levantaram poeira e agitaram o público no sábado, 14. FOTO/VAN: Sofia Pacheco
Provas levantaram poeira e agitaram o público no sábado, 14. FOTO/VAN: Sofia Pacheco

O sábado (14) foi marcado pelo Passeio Ciclístico, que contou com um público grande e de todas as idades. Em gesto solidário, todos os participantes foram incentivados a doar um litro de leite. As doações serão destinadas à Associação de Apoio a Pacientes com Câncer (ASAPAC).

Outros 400 atletas competiram na Copa Amadores, divididos em 8 categorias: Expert, Cadete, Master, Veterano, Peso Pesado, Feminina Sub-35, Feminina Sub-45 e Feminina Over 45. A advogada Cláudia Cristina Quirino veio de Goiânia para competir em São João e participa das três etapas do evento. “Cada ano que passa, o evento em São João del-Rei está melhorando. Este ano a estrutura está perfeita”, relata.

Sua única ressalva é em relação aos olhares que recebe enquanto mulher e atleta: “Ainda há um pouco de preconceito com a presença feminina no esporte, principalmente no meio amador. E também por causa da idade, as pessoas acham que eu não sou capaz de fazer o percurso mais longo”, explica Cláudia.

O eletricista Fernando Carlos da Silva, de Poços de Caldas, também notou os comentários sobre sua idade, mas acredita que tudo faz parte da brincadeira. O competidor ressalta a importância do ciclismo para a vida. “Principalmente para quem quer ter saúde, o esporte é fundamental. Além de participar de provas e campeonatos, também é um meio de transporte”, conta.

Quirino também só viu melhorias com a prática do esporte. “Como pessoa, eu cresci muito com o ciclismo, controlou muito minha ansiedade e aumentou meu rendimento no trabalho. Aprendi que, tanto no esporte quanto na profissão, é preciso equilíbrio e persistência,” avalia.

Veja os resultados de todas as categorias no site oficial da Copa.

 

A questão da ciclovia

Um evento que tem como foco o ciclismo não pôde deixar de refletir sobre a importância da estrutura para a mobilidade urbana, além da própria ocupação do espaço. Para Gonçalves, a ciclovia que leva ao CTAN é importantíssima tanto para o campus quanto para a cidade como um todo. É necessário que esteja limpa e iluminada, para garantir a segurança dos usuários. “Por mim, teríamos ciclovia na cidade toda, porque o ciclismo é muito importante,” afirma.

A situação desfavorável também foi percebida por Quirino. “A ciclovia é muito curta e não te dá muita segurança, tanto para se locomover para o trabalho quanto para o treino. Tem que tomar bastante cuidado, por ter apenas uma mão”, comenta.

Com o fim de elucidar os problemas de omissão de responsabilidade por parte dos órgãos públicos e privados, além de organizar as reivindicações dos usuários da ciclovia, foi criada uma comissão que acompanha o decorrer da situação. Os interessados podem seguir a atividade da comissão e contribuir com depoimentos através da página no Facebook.

 

TEXTO/VAN: Lucas Comine, Rebeca Oliveira e Sofia Pacheco.

COLABORAÇÃO: Ana Luiza Pereira, Camille Gallo, Daniel Ubiratan, Hugo Pacheco, Rosana Faria e Scarlett Freitas.

Deixe uma resposta