Rodeios e touradas opõem opiniões em São João del-Rei

Acontece entre os dias 14 e 18 de agosto a Del Rei Expo 2013, um dos eventos mais aguardados pela população são-joanense e região. A tradicional programação agropecuária da exposição sofreu alterações com a produção do 1º Circuito de Torneios Leiteiros e a extinção do rodeio, devido ao cumprimento da lei municipal que proíbe a utilização, manutenção e apresentação de animais em circos ou espetáculos assemelhados no Município de São João del-Rei.

Cumprindo a determinação que proíbe o rodeio na cidade, a Del Rei Expô produziu, este ano, o 1º Torneio Leiteiro, evento que busca explorar o setor agropecuário da região.  De acordo com o secretário de Agricultura e Abastecimento de São João del-Rei, Rogério Bosco, “a ideia do Torneio Leiteiro já existia nas comunidades rurais. Nós queríamos fortalecer o produtor rural do município de São João del-Rei. O intuito é de valorizar o agropecuário da cidade, aumentar e efetivar a sua participação na exposição, que era um pouco ausente, até então. Nós consideramos a importância e o tamanho da exposição de São João del-Rei e a importância e o tamanho do produtor rural. A intenção é que a exposição e os shows sejam consequência do trabalho do agropecuarista e do produtor rural”, conclui.

Segundo o secretário, os rodeios são um atrativo a mais para a exposição. Rogério aposta num possível diálogo sobre o tema, “existe a lei municipal onde há essa proibição, mas acho que cabe uma discussão. Existem grupos a favor e existem grupos contra. Neste primeiro ano, até mesmo por uma questão de desgaste, o tempo foi muito curto e, como trabalhamos com um orçamento muito limitado, estamos cumprindo essa determinação, mas podemos abrir uma discussão para o ano que vem. É um atrativo a mais, engrandece não só a exposição, mas atua como um movimento financeiro, somando para a cidade e para a população de São João del-Rei.”,afirma.

Lidiane Gouveia, advogada da sociedade protetora dos animais de São João del-Rei, foi uma das responsáveis pela instauração da lei que proíbe a prática do rodeio no Município. Segundo ela, desde quando a lei foi sancionada, não havia cumprimento por parte da administração municipal. Em 2011 a sociedade protetora dos animais entrou com uma ação na justiça pedindo que essa determinação fosse também aplicada a rodeios. “Naquele ano, não conseguimos proibir porque já havia sido contratado e pago todo o evento, eles não poderia cancelar para não haver prejuízo aos cofres públicos. Em 2012, entramos com uma ação civil pública, argumentando a decisão judicial e aí foi declarada a proibição dos rodeios.”, relatou.

Para a advogada é impossível realizar rodeios sem que haja maltrato aos animais. ”Há laudos veterinários que atestam isso. O animal não foi criado para divertimento humano, nós temos que aceitar isso. Em 2012 não houve rodeios e este ano também não.

Segundo Lidiane, na região das Vertentes, a prática é comum e tradicionalmente incentivada, “aqui na região, várias cidades praticam a atividade. Nós atuamos dentro da Comarca de São João del-Rei, e infelizmente o legislativo das cidades vizinhas como Resende Costa, Lagoa Dourada e Madre de Deus não são favoráveis a criação de uma lei nesse sentido, devido ao interesse econômico. Para quem é a favor dessas atividades, nós estamos prejudicando a economia da cidade”, ressalta a advogada.

São João del-Rei foi a 23ª cidade brasileira a abolir o rodeio e, para o estudante Renato Augusto Amaral, é uma prática que acabou integrando a cultura brasileira. “As pessoas que organizam estes eventos deveriam ter uma consciência sobre o animal. O rodeio é entretenimento, mas temos que pensar como a gente consegue essa diversão. Passa a ser inaceitável quando é feito de forma abusiva”, considerou.

VAN/ Maria Clara Lauar
Foto: Maria Clara Lauar

Deixe uma resposta