FOTO: Amigos de Quatro Patas

São João del-Rei no combate ao abandono de animais

Conheça algumas ações voluntárias que visam evitar o abandono de animais na Cidade dos Sinos

FOTO: Amigos de Quatro Patas
FOTO: Amigos de Quatro Patas

Aparentemente, melhores amigos podem ser abandonados e maltratados. Tidos como fiéis companheiros do homem, cachorros e vários outros animais de estimação são maltratados em cidades de todo o país, ou mesmo abandonados nas ruas doentes e famintos. Em São João del-Rei, a situação não é diferente: vários animais são abandonados e são, nesses momentos, que entra a ação de projetos, associações e voluntários.

Os defensores dos animais alertam nas redes sociais: a melhor maneira de diminuir a população canina nas ruas é a esterilização. Para Maurício Varallo, criador e coordenador da ONG e site Olhar Animal, o abandono pode ser evitado através de um tripé: esterilização, educação e promoção da adoção:

“A esterilização precisa ser universalizada, descentralizada e ramificada, atingindo todos os bairros das cidades e até mesmo áreas rurais. Também precisa ser gratuita, financiada pelo Estado, afinal muitos dos animais abandonados dão crias indesejadas. A segunda ponta do tripé é a educação. Sem um trabalho de conscientização e sensibilização para o problema, a ação de esterilização vira quase um enxugamento de gelo. Esterilizar é cuidar da febre, educar é cuidar da doença. Educar para a tutela responsável. Por fim, a última ponta do tripé é a promoção da adoção. As ONGs fazem muito isso, mas um apoio governamental seria muito interessante também, com relação a ajuda com o espaço, divulgação, cessão de estrutura e apoio veterinário.”

Criado em 2011, o projeto de extensão da Universidade Federal de São João del-Rei, Amigos de Quatro Patas, tem o intuito de controlar a população de cães de rua na cidade:

“O programa atua na realização de cirurgias de esterilização de cães e na conscientização da população quanto à guarda responsável, esterilização e adoção através de campanhas educativas nas escolas estaduais e municipais, panfletos informativos e feirinhas de adoção”, explicou Leila Gaya, professora da UFSJ e orientadora do projeto.

O Amigos de Quatro Patas tem parceria com o Clube do Vira-Lata, um grupo de voluntários que se dispõem a conceder lar temporário aos cães de rua, e veterinários, porém ainda enfrenta certos obstáculos.

“O programa conta com veterinários voluntários para as cirurgias sendo fornecido todo o material pela PROEX da UFSJ e além disso, precisa de lares temporários para esses cães durante o pré e o pós operatório, pois são cães de rua. A maior dificuldade é encontrar lares temporários para os cães resgatados nesse período de pré e pós operatório, pois, apesar de contarmos com lares temporários de parceiros nossos, como o Clube do Vira-Lata, esses lares já estão super lotados”, ressalta Gaya.

Gaya deposita sua fé na educação: “As crianças são nossos pequenos multiplicadores de conhecimento e sabemos que tudo o que passamos para elas muda a forma como elas encaram os desafios do cotidiano, influenciando, ainda, seus familiares, amigos e vizinhos”.

Fernanda Silva é bolsista do projeto e atua na parte de campanhas de conscientização: “Durante dois anos montamos um jogo didático de trilha de perguntas e respostas sobre a guarda responsável, esterilização e bem estar animal em parceria com alunos do curso de Zootecnia, Psicologia e Comunicação Social; testamos nas escolas e agora ele está em processo de cartonagem. Isso, para que, neste ano letivo, possamos levar nas escolas e jogar com crianças acima de 10 anos”.

Segundo dados do Amigos de Quatro Patas, em 2014 mais de duas mil crianças foram atingidas pelas campanhas de conscientização nas escolas municipais e estaduais. Já em 2015, o número diminuiu para mil. Nos dois últimos anos, o programa castrou cerca de 203 cães, dentre os quais, 106 foram adotados.

A Cãominhada e as feiras de adoção promovidas pelo programa continuam sem data prevista. Assim como novos projetos que surgirão: “Haverá sessões de tatuagem em prol do projeto ainda sem data marcada. As tatuagens serão cobradas em forma de ração e toda ração será revertida para nossos lares temporários parceiros, onde estão nossos cães a procura de um lar”.

Confira a página no Facebook do projeto clicando aqui.

TEXTO/VAN: RAFAELA DOMINGUETI

FOTO: DIVULGAÇÃO/FACEBOOK AMIGOS DE QUATRO PATAS

Deixe uma resposta