Históricos objetos como máquinas de escrever foram expostos

São João del-Rei realiza semana da 5ª Jornada Mineira do Patrimônio Cultural

Conscientizar a população sobre a preservação cultural foi o objetivo deste ano 

Históricos objetos como máquinas de escrever foram expostos
Históricos objetos como máquinas de escrever foram expostos

Como parte das comemorações do Dia do Patrimônio Histórico, celebrado no último dia 17, São João del-Rei, juntamente com diversas cidades mineiras, realizou, entre os dias 24 e 28 de agosto, a 5º Jornada Mineira do Patrimônio Cultural.

A cidade dos sinos sediou três eventos os quais o público pode ter um maior contato com o que vem sendo preservado na cultura da cidade. A tradicional Banda Municipal Santa Cecilia percorreu as ruas do Centro Histórico com seu som levando o projeto “Vendo a banda passar”.

Na Secretaria de Cultura, ficaram em exposição peças representativas dos séculos XIII, XIX e XX que contavam um pouco da história do patrimônio da cidade. Foi realizada também a palestra “Conhecer para preservar” que, com debates, tentou encontrar as melhores formas de se buscar a preservação.

O Assessor de Comunicação da Secretaria de Cultura, Tiago Morandi, explicou que existiu todo um trabalho para que a 5º Jornada Mineira pudesse ocorrer na cidade: “O evento acontece em todo o estado e cada cidade faz sua programação. Aqui em São João, por exemplo, nós realizamos essa exposição de objetos que temos em nosso acervo e damos a oportunidade da população e dos turistas conhecerem um pouco da nossa história”.

Para o superintendente de Cultura, Ulisses Passarelli, o principal objetivo da Jornada Mineira é conscientizar a população sobre a importância da preservação: “Essa semana foi de total importância porque ela abriu caminhos de diálogo com a população, deu mais visibilidade ao tema e também ajudou a despertar a consciência sobre a preservação do patrimônio cultural”.

O senhor Waldir de Almeida foi um dos que visitaram a exposição na Secretaria de Cultura. Para ele, foi como voltar no tempo: “Eu aprendi a mexer em máquina de escrever em uma muito parecida com aquela que tem aqui. Telefone de magneto usei diversas vezes em minha vida. Voltei no meu tempo de meninice”. E ainda conclui: “Não podemos largar o passado, o futuro tem que ser baseado no passado e na nossa interpretação de hoje”.

TEXTO/VAN: THOBIAS PEREIRA

FOTO: FACEBOOK DA SECRETARIA DE CULTURA E TURISMO DE SÃO JOÃO DEL-REI

Deixe uma resposta