Seca se agrava na cidade de Carrancas-MG

“Os dois
homens que morreram e o brigadista, que teve 40% do corpo queimado, juntaram-se
à população para tentar apagar o fogo, que estava ameaçando as casas e fazendas
próximas. Não temos estrutura para combater tamanho incêndio. Nós precisamos é
da ajuda de um helicóptero ou avião”. Esse foi o apelo da Chefe de
Gabinete da Prefeitura da cidade de Carrancas, Flávia Cristina Andrade,
declarando que, desde o último domingo(12 de outubro) foram feitas chamadas
para o Corpo de Bombeiros, que só chegou à cidade na manhã da quarta-feira
(15), vindos de Lavras, a 70 km de distância do local da tragédia.
A cidade de
Carrancas, localizada ao Sul de Minas Gerais, vem enfrentando, nos últimos dias,
uma grave seca que resultou em um incêndio na Serra de Carrancas, no domingo
(12). Por falta de apoio das forças oficiais de combate às chamas, os moradores
decidiram conter o fogo por conta própria. A Polícia Militar confirmou que dois
corpos foram encontrados e uma pessoa está gravemente ferida.
Segundo o relato
de moradores do município, o incêndio que atingiu a serra teria começado com
fogos de artifício utilizados durante a comemoração do dia de Nossa Senhora
Aparecida. Há ainda a versão de que o incêndio teria sido criminoso. De
qualquer maneira, 48 horas após o início das chamas, os moradores ainda pediam
por ajuda.
O fato
ocorrido no município mobilizou os moradores da cidade. “Precisamos de chuva
com urgência, pois as Serras de Carrancas estão em chamas e o cenário é de um deserto
de cinzas! O ar da cidade está seco, estamos embaixo de neblina e o cheiro é
horrível”, comenta Poliana Rezende, ao pedir ajuda por meio de uma publicação
no Facebook.
O Complexo da
Zilda, atingido pelo fogo em Carrancas, é composto por diversas cachoeiras, local
bastante visitado por turistas, que serve como cenário para as gravações da
novela “Império”, da TV Globo.
Ecoturismo
O ecoturismo
é uma vocação de Carrancas – com forte potencial de expansão para os próximos
anos – e também uma alternativa de renda para a população,. Embora tenha notáveis
redutos de belezas naturais, Carrancas não é conhecida pelo turismo de massa,
mantendo assim características e encantos de uma cidade tranquila, em
equilíbrio com a natureza. “Esforços têm sido feitos por aqueles que acreditam
em seu potencial, no sentido de viabilizar o turismo de forma sustentável e
assim garantir a preservação de seus mananciais, sua fauna, flora e também suas
tradições, fazendo com que o ecoturismo torne-se uma fonte viável nas atividades
do município”, relata o guia de turismo e estudante de Geografia, David Júnior.
Atualmente, a
seca tem interferido nas atividades turísticas da cidade de forma
significativa. Com isso, as cachoeiras não ficam sem água, mas seu visual muda
completamente, atingindo a coloração e o volume das águas. Os visitantes que
vão a Carrancas nesse período reclamam de tal problema. Júlia Reis (18), da
cidade de Mariana – MG, visitou as cachoeiras da cidade na última sexta-feira (10),
porém, já tinha estado no local há dois anos atrás e notou que a diminuição do
volume de água foi enorme. “Antes tinha medo de nadar por causa do volume
da cachoeira; na sexta-feira eu consegui nadar tranquila com a água batendo no
meu joelho”, afirmou.
Apesar de ser
uma cidade ligada diretamente ao turismo ecológico, Carrancas sofre com crimes
ambientais,  como queimadas. A moradora
Isabella Oliveira (18), comenta sobre a conservação das matas:
– “Conscientizar
as pessoas de que as queimadas clandestinas, além de ser crime, podem chegar a
pontos extremos, não é uma tarefa fácil”.
Depois dos
incêndios, o prazo para que o solo volte ao normal é indeterminado, visto que a
natureza tem um tempo próprio, salienta David Júnior. “Sei que a situação não
vai se resolver rapidamente, mas com o tempo tudo se concerta, tudo toma o seu
devido lugar assim como era antes”, pondera esperançoso.
Texto:
Andreza de Cácia e Mariana Reis/VAN

Foto: Prefeitura Carrancas

Deixe uma resposta