Semana Nacional de Trânsito promove eventos de conscientização para população são-joanense

Foram realizadas blitzes educativas, palestras e a implantação de uma ciclovia temporária entre os dias 18 e 25 de setembro 

Várias ações educativas como blitzes foram realizadas
Várias blitzes educativas foram realizadas. Foto: Assessoria de Comunicação – Prefeitura de São João del-Rei

São João del-Rei recebeu, entre os dias 18 a 25 de setembro, diversos eventos da Semana Nacional de Trânsito. Com a temática “Seja você a mudança no trânsito” e promovido pelo Conselho Municipal de Trânsito, em parceria com diversas instituições, a semana buscou educar e conscientizar pedestres e condutores para o trânsito.

Ao longo da semana, várias blitzes pararam condutores em diferentes regiões da cidade, com o intuito de orientá-los sobre a legislação de trânsito e boas práticas ao volante, com a distribuição de folhetos e exibição de vídeos educativos. Em parceria com a Polícia Militar e Centros de Formação de Condutores, foram ministradas palestras em escolas da cidade, divulgando informações sobre o trânsito para crianças e adolescentes.

O trânsito da cidade foi recentemente municipalizado, o que possibilitará a implantação da Guarda Municipal para substituir a Polícia Militar na organização e fiscalização, e o estacionamento rotativo, que tem o objetivo de melhorar o fluxo de vagas no centro. [ANDRÉ LAMOUNIER] FOTO1

O Diretor municipal de trânsito, Aracélio José dos Santos, avaliou a atual situação da mobilidade urbana em São João del-Rei: “O trânsito não é bom. A cidade tem mais de 300 anos e não foi projetada para ter um efetivo de carros como o atual. Estamos fazendo um trabalho demorado, monitorando diversas ruas da cidade para melhorarmos essa situação. Mas, dependemos da população. Falta, muitas das vezes, educação e respeito à legislação.”

Ciclovia na Leite de Castro

O Estúdio “Urbanismo Tático na Leite”, composto por alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFSJ, organizou nos dias 19 e 20 de setembro o “Bike na Leite”, que implantou uma ciclovia temporária na Avenida Leite de Castro.(Veja como foi clicando aqui).

Urbanismo Tático na Leite foi realizado nos dias 19 e 20 de setembro Foto: Marina Ribeiro
Urbanismo Tático na Leite foi realizado nos dias 19 e 20 de setembro
Foto: Marina Ribeiro

Segundo Clarissa Cordeiro de Campos, professora da UFSJ e idealizadora do projeto, o evento alcançou os objetivos propostos. “Além da verificação dos parâmetros do nosso projeto, realizamos 340 entrevistas com motoristas, pedestres, ciclistas e comerciantes no local. Acreditamos ainda que a ciclovia temporária seja uma importante ferramenta de conscientização da população”.

Para Clarissa, é possível a instalação de uma ciclovia permanente na avenida: “Acredito que haja a possibilidade de implantação de uma rede permanente. Buscaremos maior apoio institucional e da prefeitura para executarmos um projeto deste porte. No entanto, o interesse e participação da população são indispensáveis ao sucesso desta empreitada”.

A voz da experiência no trânsito são-joanense

Seu Ranulfo é taxista há 68 anos
Seu Ranulfo é taxista há 68 anos

Poucas pessoas conhecem tanto do trânsito da cidade dos sinos quanto Seu Ranulfo, o taxista mais antigo da cidade e, provavelmente, um dos mais experientes do país. Desde 1947 exercendo a profissão durante todos os dias do ano, ele já vivenciou diversas mudanças. “Houve um aumento grande de carros, no sentido das ruas. Hoje o trânsito é horrível, não temos guardas para nos orientarem”conta. 

Sobre como lidar com a rotina estressante, Seu Ranulfo alerta os outros motoristas: “As pessoas não têm consciência dos perigos do trânsito. Andam a 100km/h em ruas estreitas. Tem que ter calma, ser mais educado. Às vezes, as pessoas fazem coisas erradas e ainda te xingam”.

Questionado sobre o que faria para melhorar o trânsito, o taxista deu algumas sugestões: “Se eu pudesse, mudaria o sentido de algumas ruas. As bicicletas também são uma boa, podem melhorar a situação do trânsito, mas sou de uma época que as bicicletas tinham placas para identificarem o ciclista. Muitos cometem várias infrações, mas não tem ninguém para fiscalizá-los” conclui. 

TEXTO/VAN: ANDRÉ LAMOUNIER

FOTOS: ANDRÉ LAMOUNIER

Deixe uma resposta