Temas ligados à cidade de São Tiago tornam-se produtos acadêmicos em instituições de ensino superior da região

A cidade de São Tiago muito rica culturalmente em várias categorias como História, Memória, Religiosidade, Gastronomia, Artesanato, Atrativos, Personalidades torna-se uma fonte inspiradora para acadêmicos de muitas instituições de ensino superior nos trabalhos universitários. 
A Festa do Café com Biscoito e Sicoob Credivertentes já foram temas de muitas monografias pelo estado desde cursos de bacharelado à licenciatura nas áreas administrativas, econômicas, sociais e pedagógicas.
Na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) personalidades da história local ganharam documentário, “Crispim” apresentado pelos acadêmicos Douglas Caputo e Michele Santana; “Antônia da Percília” apresentado por Caio Sena e Marcus Santiago. Como trabalho de conclusão do curso de Comunicação Social habilitação em Jornalismo, “A história de São Tiago através da música”, história e depoimentos de pessoas ligadas à corporação musical “Lira Imaculada Conceição”, seu fundador, seus principais expoentes e precursores, defendida pelos alunos Bruno Caputo e Michele Santana orientados pela professora Ms. Luciene Tofóli e “Face Regional: São Tiago a Terra do Café com Biscoito” trata-se de uma revista relacionada à história, memória, cultura, culinária, tradição, personalidades atípicas e folclóricas de São Tiago. 
O produto inclui entrevistas e relatos históricos sobre a formação da população de São Tiago aos dias atuais, progressos com um tom de memória nostálgica de velhos tempos que construíram o presente, defendida pelo aluno Marcus Santiago orientado pelo professor Dr. Jairo Faria Mendes. 
Elaborar trabalhos como esses e apresentá-los a outros públicos são importantes para legitimação dos bens materiais e imateriais que caracterizam a cidade no seu jeito de ser, e consequentemente dando ampla visibilidade ao município em seu lado histórico, cultural, atrativos turísticos e eventos. O próprio filósofo Wilhelm Diltey justifica a necessidade de  inserir o homem em contextos diversos: “O homem não vive mais em universo somente físico, mas também em universo simbólico. A linguagem, o mito, a arte e a religião são partes desse universo, são fios que constituem o tecido simbólico, a intricada trama da experiência humana. Todo progresso no campo do pensamento e da experiências e adensa essa malha.” 
VAN/Marcus Antônio
Santiago
Foto: Reprodução

Deixe uma resposta